quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A culpa é sempre minha

O bebê atravessou o pátio, entrou em casa e chegou até mim com a mão estendida, berrando. 
O meu "mãezômetro" não está ligado. Ele não está chorando, está reclamando, mas não estou vendo sinais de sangue e ele está inteiro.
Ele reclama para a vovó, para a dinda e volta para mim. E de lá de fora eu ouço a voz do vovô "ele caiu aqui na pedra, perto do toco de lenha". Ah tá. Agora eu vejo que um dos joelhos está ralado e a outra mão, que agora ele mostra, está suja de barro. A indignação dele cresceu. Ele senta ao meu lado. 
- Quer gelo, bebezinho?
- NÃO.
A vovó quer que eu passe algo no joelho dele. Só se for água e sabão. Ou gelo. Eu passo gelo. Ele berra. Lembro de um spray antissético que eu tenho para essas emergências. Passo ali, ele berra. Ele quer lavar a mão. Feita a vontade, ele vai para o quarto da vovó. Tudo o que tem em cima da cama ele joga no chão. Daí vai para a rua. É uma fúria. 
- Quer leite, bebê? Água? Suco? Pãozinho? 
- Não, não, não!


Afinal entra em casa. Estou sentada à mesa. Ele me bate. Depois disso se acalma e toma uma mamadeira cheia de leite. É o nosso bebê de novo. 
Quando ele cai e se machuca, a culpa é sempre minha. Provavelmente, sou eu quem tem que dar um jeito e fazer a dor ir embora. Ah, se ele soubesse!  


2 comentários:

  1. nessas horas eu só sabia gritar bem alto pra chamar minha mãe pra ajudar o vini...quando ele me ameaçou querendo engolir uma tampinha de refri ou quando ele engasgou com a maldita bolha maizena...eu sempre grito pra alguem vir me ajudar nessas horas!

    ResponderExcluir
  2. bolha nao rsrsrsrs bolacha rsrsr

    ResponderExcluir

Deixe um recado, opinião ou sugestão, suas palavras são muito bem-vindas! Eu leio tudo! Prefiro responder por email, pois é mais rápido. Siga-me também pelo Facebook. Volte sempre!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Posts mais recentes: